Todos sabem da importância do uso de Equipamentos de Proteção em diferentes ambientes e os riscos que podem ocorrer com a não utilização desses produtos para a segurança das pessoas em geral.

A Proteção e Prevenção em Condomínios não poderiam ser diferentes, cabe às pessoas responsáveis observarem os danos à saúde que possam ser causados por agentes físicos (como ruído, calor e queda), químicos (substâncias, compostos e produtos), biológicos (bactérias, fungos, bacilos, parasitas e protozoários).

A principal norma que deve ser respeitada é a NR 9, que exige a realização do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), ponto de partida por onde serão identificados os ambientes, as atividades e os procedimentos com potencial de gerar incidentes.

Além da NR 9, outras normas vão orientar o condomínio sobre a forma de lidar com a segurança dos trabalhadores:
– NR 6, relativa ao uso de Equipamentos de Proteção Individual (luvas, botas, capacetes, óculos de proteção, máscaras faciais etc.);
– NR 10, específica a quem trabalha, direta ou indiretamente, com instalações elétricas;
– NR 35, sobre atividades em altura;

– NR 7, dos exames obrigatórios;
– NR 17, trata-se da Ergonomia (saúde e segurança) do colaborador. Além das cadeiras, podem ocorrer problemas com materiais e equipamentos de limpeza, como vassouras e rodos com cabos curtos, em desacordo com a altura do funcionário, e também com carregamento de peso.

– NR 28, trata-se das penalidades e multas pelas infrações;


            Vários são os riscos e a incidência do uso obrigatório de Equipamentos de Proteção dentre os quais envolvem:

  1.     Equipamentos para trabalho em Altura – Limpeza e manutenção de fachadas;
  2.     Luvas - Contato com produtos de limpeza e recolhimento de lixo;
  3.     Calçados – Serviços de faxina e pintura;
  4.     Sinalização – Indicação de fluxo e rotas de fuga;
  5.     Respiradores – Limpeza de caixa de água e expurgo;
  6.     Uniformes e Vestimentas – Profissionais envolvidos na segurança e limpeza do Condomínio.

 

Testar os aparelhos, oferecer treinamento e fazer manutenção periódica é de responsabilidade subsidiária dos responsáveis do condomínio, evitando assim riscos à segurança dos colaboradores e moradores, bem como a não ocorrência de processos legais pelo não cumprimento das normas (NR’s).