A conservação da qualidade do ar para os colaboradores no seu ambiente de trabalho é um fator fundamental para o desenvolvimento das suas atividades. Infelizmente nesses mesmos locais existem inúmeros e minúsculos contaminantes que ficam suspensos no ar, os chamados “inimigos silenciosos”, pois não são visíveis e nem chamam a atenção à primeira vista.

Tipos de agentes contaminantes presentes no ar:

Poeira: são formadas quando um material sólido é quebrado, moído ou triturado. Quanto menor a partícula, mais tempo ela ficará suspensa no ar. As poeiras são os contaminantes mais comuns presentes nos ambientes de trabalho.

Névoa e neblina: constituídas por particulados líquidos na forma de gotículas em suspensão na atmosfera. A diferença entre elas é que as primeiras, as névoas, são geradas por processo mecânico, como ruptura física de um líquido durante processos de pulverização, nebulização ou borbulhamento. Já as neblinas são produto da condensação na atmosfera de pequenas partículas líquidas provenientes de um líquido previamente volatilizado por processo térmico.

Fumo: ocorrem quando um metal ou plástico é fundido (aquecido), vaporizado e se resfria rapidamente, criando partículas muito finas que ficam suspensas no ar.

Gases: São substâncias que, à temperatura ambiente, estão no estado gasoso e são geralmente invisíveis. São exemplos de gases: oxigênio, nitrogênio, monóxido e dióxido de carbono, óxido de etileno, argônio, hidrogênio, amônia, cloro, dióxido de enxofre, sulfeto de hidrogênio, metano, propano, butano, óxido nitroso, ozônio, dentre muitos outros.

Vapores: São substâncias que evaporam de um líquido ou sólido, da mesma forma que a água transformada em vapor d’água. Geralmente são caracterizados pelos odores: você não vê um vapor, mas sente o cheiro. São exemplos de vapores: álcool etílico, metanol, acetona, ácido acético, acetato de etila, vapor de mercúrio, gasolina, diesel, benzeno, tolueno, xileno, formaldeído (formol), glutaraldeído, halotano, éteres, ciclohexano, clorofórmio, tetracloreto de carbono, diisocianato de tolueno (TDI), nafta (destilados de petróleo), dentre inúmeros outros. Com a presença desses tipos de agentes no ar, necessita-se da utilização de Equipamentos de Proteção para proteger e garantir a saúde do colaborador, principalmente respiradores (PFF1, PFF2 e/ou PFF3).

Primeiramente é necessário entender o significado de PFF: Peça Facial Filtrante, ou seja, o corpo do produto é também o meio filtrante responsável por não deixar os contaminantes do ambiente entrar em contato com o sistema respiratório do usuário.

As máscaras denominadas PFF normalmente são descartáveis, não possuindo nenhum tipo de manutenção. Sendo assim, após a utilização ou quando indicado pelo responsável em SST, o produto deve ser descartado.

Estes respiradores são classificados da seguinte maneira:

• PFF1 – Possuem eficiência mínima de 80% (Penetração máxima de 20%). Proteção contra poeiras e névoas, partículas não tóxicas.

• PFF2 – Possuem eficiência mínima de 94% (Penetração máxima de 6%) Proteção contra partículas finas fumos e névoas tóxicas. Também utilizado para serviços na área da saúde para proteção contra vírus, bactérias e baixas concentrações de vapores orgânicos.

• PFF3 – Possuem eficiência mínima de 99% (Penetração máxima de 1%) Protege contra partículas tóxicas finíssimas. Tais como: Arsênio, Berílio, Prata, Chumbo, fibras naturais entre outras. Fumos metálicos produzidos nas operações de solda, fundições, cortem por calor ou outros processos que envolvam aquecimento de metal.